Princípios

Como pensamos

Nossos Princípios Gerais, que resumem como pensamos e agimos, abrem nossos Cânones.

PRINCÍPIOS GERAIS

Em Nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo. Amém!

A Igreja Protestante Unida surge a partir da união de irmãos de diversas correntes protestantes, não sendo uma união de instituições, mas de corações reunidos pelo Espírito Santo, formando uma comunidade distinta e diversificada de cristãos que se reúnem como uma igreja, unindo fé e ação, inspirados pela oração de Nosso Senhor Jesus Cristo "para que todos sejam um" (Jo. 17:21), sendo sua data de fundação 31 de outubro de 2017, em comemoração aos 500 anos da Reforma Protestante.

A Igreja Protestante Unida se declara parte da Igreja Una, Santa, Católica (Universal) e Apostólica. Declara ser protestantes na medida em que mantém, dentro da Igreja Católica (Universal), o testemunho da Reforma Protestante do século XVI e de suas manifestações teológicas e litúrgicas dos séculos vindouros.

Cânon 1 - Cremos que as Sagradas Escrituras, Primeiro e Segundo Testamentos, são nossa regra de fé e prática, que "contêm todas as coisas necessárias para a salvação", sem crer que devam ser interpretadas literalmente.

Essa Fé é exposta de modo sistematizado no Credo dos Apóstolos, no Credo de Nicéia e no Credo Atanasiano, resumos fiéis da verdade bíblica essencial. Nós recebemos as decisões dos Quatro primeiros Concílios Ecumênicos. E ainda como documentos históricos orientadores e como sinal da unidade entre nós a Confissão de Fé da Guanabara, a Confissão de Belhar, a Declaração de Barmen e a Carta de Ribeirão Preto.

A Igreja Protestante Unida não possui rígida formulação de doutrina ou apego a crenças ou estruturas. Dessa forma, os credos, confissões e afirmações de fé têm por finalidade o "testemunhos de fé" - em torno dos quais a Igreja se reúne - em vez de "regras de fé", como uma prescrição rígida e necessária de doutrina, pois seu credo primordial é o amor.

A Igreja Protestante Unida estuda e se identifica com várias abordagens feitas ao longo da história do Cristianismo sobre os mais variados temas, porém, nenhuma dessas abordagens substitui a Bíblia Sagrada, que aceitamos como a palavra inspirada de Deus, fonte primordial da Fé Cristã, sem crer que deva ser interpretada literalmente.

No entanto, mesmo reconhecendo que as afirmações humanas sobre a natureza de Deus e na Sua contínua revelação de Si mesmo são insuficientes para expressar toda a verdade a respeito d'Ele, a Igreja Protestante Unida encoraja a pesquisa sobre a verdade, sem medo e com a mente aberta, em todas as áreas da vida. Somos uma igreja que não coloca nenhum limite em qualquer estudo ou investigação honesta. Somos a favor do uso da mente e da razão humanas como faculdades dadas por Deus. Confiamos que o Espírito Santo capacita a Igreja a relacionar toda a verdade pesquisada à verdade de Deus em Jesus Cristo.

Cânon 2 - Cremos que a nossa vida como cristãos deve ser ordenada de acordo com a proclamação do Evangelho, a pregação da Palavra, administração dos Sacramentos do Batismo e da Ceia do Senhor, e culto litúrgico baseado nas Liturgias Tradicionais Protestantes (Luterana, Reformada, Anglicana e Metodista), reconhecendo que seu uso não impede a oração livre nem a adaptação para uso local, e que a igreja tem o direito de alterá-lo, desde que preservada a uniformidade litúrgica. Para que assim seja, a Igreja Protestante Unida manterá um Manual de Culto próprio baseado nas referidas tradições protestantes.

Cânon 3 - Cremos que a Igreja Una, Santa, Católica e Apostólica tem uma só cabeça, o Senhor Jesus Cristo. Todos os investidos de autoridade em sua geração devem seguir o seu exemplo de humildade e a instrução de que o primeiro seja o último e o servo de todos.

Entendemos como bíblicas duas ordens de ministério cristão: diáconos/as e presbíteros/as, sendo a ordem dos/as bispos/as um desdobramento histórico da ordem dos/as presbíteros/as. Reconhecemos no/a presbítero/a a autoridade espiritual no contexto da igreja local (Paróquia).

Reconhecemos que desde os tempos antigos certas responsabilidades delegadas a determinados presbíteros os colocaram em posição diferenciada, como bispos. Nesse sentido, acreditamos em um episcopado histórico, composto por pessoas chamadas para preservar a doutrina e a comunhão, assim chamada, apostólica.

A Igreja Protestante Unida reconhece e adere ao Episcopado Histórico, não como de direito divino, mas como uma forma muito antiga de governo da Igreja, rejeitando a afirmação de que a Igreja de Cristo existe numa única ordem de governo eclesiástico. Dessa forma o papel fundamental dos/as bispos/ as consiste em exercer a supervisão pastoral e doutrinária, agindo como orientadores/as e facilitadores/as e não como agentes normativos e/ou prescritivos das igrejas locais (que devem ser sempre autossuficientes e que tenham autogestão).

Cremos que os Concílios da Igreja são um meio necessário de determinação da vontade divina para a Igreja e que seu consenso não deve ser ignorado, suprimido, ou manipulado por aqueles que são ordenados e possuem ofícios específicos.

Cremos que a propriedade da Igreja deve residir com a paróquia local para que a coerção não tome o lugar da consciência, na ordem da igreja.

Cremos que o chamado final de um/a ministro/a ordenado/a deve residir com a paróquia local, em colaboração com o conselho do/a Bispo/a.

Adotamos 3 (três) princípios especiais que desejamos reproduzir em nossas igrejas locais:

  • Liberdade: para sermos e desfrutarmos de tudo o que Deus nos proporcionou através de Cristo, da igreja e da criação.
  • Unidade na Diversidade: o que é totalmente contrário à uniformidade. A beleza e riqueza da unidade estão justamente na diversidade. Saber conviver e se enriquecer com o diferente é sinal de maturidade cristã.
  • Catolicidade: que significa "universalidade". A obra de Deus, em Cristo, tem um caráter universal e envolve a todos e a todas. É a catolicidade que nos impulsiona ao ecumenismo. A fraternidade com o mundo, nossa "casa comum" (oikos).

Cânon 4 - A Igreja Protestante Unida se propõe a cumprir a Grande Comissão por meio da proclamação do Evangelho, do estabelecimento de igrejas, do apoio às missões e da educação cristã de crianças, jovens, adultos, leigos e ordenados.

Cânon 5 - A Igreja Protestante Unida se propõe a falar publicamente da liberdade e da dignidade de cada pessoa como criada à imagem de Deus. Da proteção aos enfermos, as crianças, idosos, marginalizados, minorias e pelo casamento, independente da cor, raça, condição ou orientação sexual, daqueles que o contrai.

Cânon 6 - No esforço para preservar um testemunho Protestante, a Igreja Protestante Unida se compromete a ensinar que:

I. A Igreja de Cristo existe em mais de uma ordem ou forma de política eclesiástica;

II. A mesa do Senhor não é um altar em que o corpo e o sangue de Jesus são oferecidos de novo; nem que a presença de Cristo na Ceia do Senhor se dê pela transubstanciação do pão e do vinho;

III. Os/as presbíteros/as cristãos não são "sacerdotes/sacerdotisas" em outro sentido diferente daquele em que cada crente é "um sacerdócio real."

IV. O episcopado não é uma ordem bíblica especial e distinta da ordem presbiteral.

V. A Igreja Protestante Unida crê que o Espírito Santo fala à Igreja por meio da Palavra de Deus. Os livros canônicos do Primeiro e Segundo Testamentos constituem a completa revelação verbal e especial de Deus à humanidade. Nós rejeitamos as teorias de interpretação bíblica que justificam a colocação de significados pessoais e privados sobre o texto bíblico.

VI. A Igreja Protestante Unida crê que o Espírito Santo é quem opera a regeneração. Mas rejeita o ensino do "Batismo pelo Espírito Santo" como uma "segunda bênção", que segundo seus propagadores, separa os crentes em duas categorias, uma espiritual e outra carnal. Cremos que os dons do Espírito Santo são dados separadamente e segundo sua vontade. Rejeitamos, por conseguinte, que qualquer dom do Espírito Santo seja prerrogativa de todos os cristãos.

VII. Rejeitamos, portanto, que o dom do Apostolado continuou para além da primeira geração da Igreja, ou seja, que a sucessão apostólica resida sobre indivíduos.